Os  primeiros estudos sobre liderança datam de 1904. No entanto, só a partir da década de 1920 a 1930 se iniciaram estudos mais sérios com observações científicas. Esses estudos se basearam nas célebres observações nas fábricas   Hawthorne da  Wester Eletric, nos Estados Unidos. Em 1945 o Personnel Research of Ohio State University   também realizou estudos sobre liderança.

Em 1939, Kurt Lewin , Ronald Lippitt  e  Ralph White realizaram diversas experiências na Universidade  Iowa. Os estudos foram feitos com crianças de 10 a 12 anos e permitiram a observação de aspectos importantes no setor de liderança.

Foram organizados dois grupos de crianças. Um grupo tinha o seu líder que dava as ordens e decidia todos os assuntos por si.  O outro grupo tinha um líder que encorajava a participação e a discussão dos assuntos de interesse do grupo.

No primeiro caso de liderança, chamada  de  AUTOCRÁTICA, o líder funcionava realmente como ditador, isto é, determinava as metas e decidia quanto aos métodos de trabalho determinando funções, sendo essencialmente  subjetivo nas comunicações.

No segundo caso, chamado de DEMOCRÁTICO, o líder discutia as metas com o grupo e encorajava a participação, permitia a escolha de companheiros de trabalho dentro do razoável e era essencialmente objetivo nas comunicações.

No último caso de liderança, havia uma variante denominada LAISSEZ FAIRE e que passaremos a denominar LIBERAL .  Neste não havia controle sobre o grupo, que agia, portanto, com a máxima liberdade;  havia solução individual para os problemas, fornecendo o líder apenas informações, quando solicitadas.

São esses três tipos de liderança que serão abordados ao longo do nosso trabalho.